Nos últimos anos, assistimos ao início de uma transição de sustentabilidade de longo alcance entre as empresas da América Latina, que começou lentamente a se mover na direção da criação de economias mais justas, mais inclusivas para todos.

Como região, a América Latina sofre um impacto descomunal da mudança climática, com fenômenos climáticos extremos, desde furacões no Caribe até El Niño na costa do Pacífico, bem como a elevação do nível do mar e a má qualidade do ar, o que torna as considerações ambientais ainda mais importantes.

Mas é também uma região onde podem ser feitos enormes progressos em outras métricas de sustentabilidade, tais como a melhoria da subsistência rural, contribuindo para o aumento da igualdade de gênero e aumentando a participação das populações indígenas e minoritárias na economia.

Nos últimos anos, temos visto um número crescente de empresas em toda a América Latina começar a se concentrar nestas questões. As melhores práticas ambientais, sociais e de governança internacional (ESG em inglês) estão sendo integradas às corporações da região, e isso está acontecendo em todos os setores. A IndexAmericas[1], criada pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), destaca as 100 melhores empresas sustentáveis que operam na América Latina e no Caribe, medidas em relação a critérios ambientais, sociais e de governança corporativa, bem como sobre seu desempenho em áreas como igualdade e diversidade de gênero.

O índice tem sido composto em grande parte por multinacionais estrangeiras desde sua criação, mas nos últimos três anos, o número de empresas latino-americanas aumentou quase 30%, demonstrando o quanto a questão da sustentabilidade corporativa está ganhando força na região.

Outro exemplo desta tendência crescente pode ser encontrado no Dow Jones Sustainability MILA Pacific Alliance Index. Ele mede as melhores empresas da categoria no Chile, Colômbia, México e Peru que cumprem certas metas de sustentabilidade melhor do que a maioria de seus pares dentro de suas respectivas indústrias. Quando foi criado em 2017, apenas 42[2] empresas cumpriram essas metas . Hoje, esse número cresceu para 116[3].

A sustentabilidade também está se tornando um foco importante para os investidores da região  que,   de acordo com um estudo recente da Natixis[4],  mostram maior demanda pela ESG do que qualquer outra região do mundo, pois acreditam que ela pode ajudá-los a aumentar os retornos ajustados ao risco, bem como ajudá-los a alinhar seus ativos aos valores organizacionais.

Quando falamos com nossos parceiros na região, o que ouvimos é que a incorporação da ESG nos modelos de negócios não é uma moda. Tanto as empresas quanto os investidores estão buscando alcançar o resultado final de triplo sucesso social, ambiental e financeiro, e a tendência está ganhando força.

SER ECOLÓGICO POR SI SÓ NÃO É SUFICIENTE

A mudança para a energia renovável, especialmente em uma região tão abundante em energia solar e eólica como a América Latina, é uma possibilidade para as empresas que procuram reduzir sua pegada ambiental. Graças em grande parte aos esforços liderados pelo governo para aumentar o uso de energias renováveis, a região está fazendo progressos sólidos em direção a seus compromissos assumidos  no âmbito do Acordo de Paris.

Mas simplesmente “tornar-se ecológico” não equivale à sustentabilidade. A sustentabilidade é determinada por três parâmetros diferentes: ambiental, social e financeiro e, se uma corporação só muda para energia renovável, sem abordar as implicações mais amplas, ela está perdendo uma oportunidade.

Hoje, as  corporações latino-americanas  querem ter a garantia de uma solução de longo prazo que,  não apenas garanta a disponibilidade de eletricidade limpa sem prejudicar o acesso de terceiros  aos recursos, mas também que atue  como uma força para o bem na sociedade. Como resultado, um número crescente de empresas em toda a região não só está começando a explorar as possibilidades de acordos de compra de energia renovável, mas também está começando a questionar de onde vem o financiamento desses projetos, como a força de trabalho desses projetos está estruturada,  e como o desenvolvedor opera dentro das comunidades locais.

A ABORDAGEM DA ATLAS

Em nossa experiência, descobrimos que não há ganhos verdadeiramente rápidos em sustentabilidade. É por isso que a Atlas tem dedicado, desde o início, grandes quantidades de recursos à ESG, porque acreditamos que a verdadeira sustentabilidade vem de investimentos estratégicos a longo prazo.

Um grande foco para nós é a sustentabilidade social. Quando trabalhamos com as comunidades locais, nos concentramos em promover o aumento do bem-estar local. Em nossa opinião, construir relacionamentos com a comunidade local não significa apenas distribuir bolas de futebol ou uniformes escolares, significa também estar ciente do fato de que o ativo fará parte da comunidade por 30 anos e que, se administrado corretamente, pode representar uma oportunidade para a criação de empregos e geração de renda. Assumimos todas as implicações em torno da geração de energia, e nos confortamos em saber que nossa presença impulsiona a economia local onde quer que estejamos.

Como exemplo, em junho de 2020, a Atlas Renewable Energy e a Dow assinaram um contrato de energia solar em larga escala no Brasil. A quantidade de energia gerada cobrirá o equivalente às necessidades energéticas de uma cidade com mais de 750.000 habitantes, e resultará na prevenção de cerca de 35.000 toneladas métricas de emissões de CO2 por ano. Além disso, o projeto inclui um compromisso com a inclusão de gênero e geração de empregos rurais, com treinamento para a força de trabalho feminina local para que ela possa ter acesso às oportunidades de emprego mais bem remuneradas apresentadas pelo projeto. Durante a construção deste projeto, esperamos contratar de três a quatro vezes mais mulheres do que normalmente são empregadas nestes empreendimentos, com 70% do total da força de trabalho prevista para ser da área local.

Enquanto isso, em nossa planta solar Guajiro no México, fizemos parceria com a The Pale Blue Dot, uma organização mexicana que promove programas educacionais através do uso da tecnologia em escolas e centros comunitários, para fornecer a mais de 400 estudantes da comunidade local acesso à Internet e salas de aula digitais.

A sustentabilidade financeira também é um fator chave que contribui para a forma como fazemos negócios. Trabalhamos com parceiros de investimento de impacto, como o Fundo de Tecnologias Limpas do Grupo Banco Mundial e o IDB Invest do Banco Interamericano de Desenvolvimento  e procuramos, sempre que possível, obter taxas de juros favoráveis, incluindo nosso financiamento ao nosso desempenho ambiental e social.

Ser sustentável também representa mitigação de riscos, durante todo o projeto, desde garantir a transparência da cadeia de fornecimento de componentes até a concretização de projetos financiáveis que ganharam o apoio das comunidades nas quais operamos. Isto garante que possamos ajudar nossos parceiros corporativos a alcançar seus objetivos de sustentabilidade, proporcionando-lhes os benefícios ambientais, sociais e financeiros necessários para cumprir suas obrigações.


[1]https://indexamericas.iadb.org/en/Aboutus
[2]http://worldofficeforum.com/wp-content/uploads/2017/11/dow-jones-sustainability-index-mila-constituents.pdf
[3]https://www.spglobal.com/spdji/en/idsenhancedfactsheet/file.pdf?calcFrequency=M&force_download=true&hostIdentifier=48190c8c-42c4-46af-8d1a-0cd5db894797&indexId=91920628
[4]https://www.im.natixis.com/latam/research/latin-america-has-the-greatest-global-demand-for-esg-investments

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.