Em todo o mundo, a pressão para avançar em direção a um futuro limpo e livre de carbono está mais forte do que nunca. Hoje, “tornar-se verde” é mais que apenas uma ideia grandiosa — está se tornando a própria base de quantas empresas fazem negócios.

Segundo um artigo de 2022 na CNBC, gigantes corporativos como Microsoft, Intuit e Apple são exemplos daqueles que lideram o compromisso com práticas de negócios ambientalmente sustentáveis. E esses tipos de ações estão sendo adotadas não apenas por grandes corporações, mas também por pequenas empresas.

Os consumidores também estão cada vez mais atentos às suas compras, buscando produtos ou serviços que estejam mais alinhados com sua postura ambiental. No entanto, com embalagens inteligentes e linguagem destinadas a atrair um público ambientalmente consciente, muitas empresas podem enganar os consumidores – seja intencionalmente ou não — fazendo-os pensar que são mais sustentáveis do que realmente são. Digite greenwashing.

Greenwashing: usando um conceito limpo para cobrir um segredo não tão limpo

As palavras importam — especialmente quando essas palavras transmitem uma certa mensagem sobre o que uma empresa representa ou como ela opera. O uso de palavras como “verde”, “eco”, “sustentável”, “natural” ou “consciente” é desenfreado, mas para algumas empresas, não é justificado, e é conhecido como greenwashing.

Especificamente, greenwashing é enganar potenciais consumidores fazendo-os pensar que os produtos ou serviços de uma empresa são ecologicamente corretos, mas sem nenhuma prova real que comprove essas alegações. Greenwashing também pode consistir em inflar a verdade de uma forma que destaque um aspecto ambientalmente amigável de um negócio para encobrir outro aspecto menos ecológico; por exemplo, uma empresa petrolífera que instala painéis solares em seus postos de gasolina[AS2]  gasolina[AS2], mas depois continua a lucrar muito com os combustíveis fósseis.

Aumentando as apostas

Embora o greenwashing esteja em ascensão, as consequências de se engajar nele também estão. Uma pesquisa recente compartilha vários exemplos de casos de litígio relacionados ao greenwashing — bem como os seguintes conselhos específicos:

Felizmente, o greenwashing pode ser evitado. De acordo com a earth.org, existem várias maneiras de se manter do lado certo da promoção de um negócio ecologicamente correto, e isso começa com honestidade. Um passo fundamental é evitar uma linguagem vaga que não pode ser comprovada. Outro é ser transparente sobre áreas do negócio que são sustentáveis e outras que não são. Ou apresentar dados reais para medir a pegada de carbono da empresa e tomar medidas reais para fazer mudanças positivas e, em seguida, compartilhar essas informações publicamente.   

Eversheds Sutherland afirma: “Uma das lições a serem tiradas dos registros recentes é que as empresas devem evitar declarações amplas e abrangentes sobre seus esforços de sustentabilidade e devem evitar propagandas focadas apenas no produto ou serviço final que fornecem. Como todas as alegações de deturpação, a verdade é a melhor defesa. Se uma empresa puder apoiar declarações concretas com esforços concretos de sustentabilidade e dados firmes, melhor será a capacidade de neutralizar e defender as alegações de greenwashing que agora estão inundando o cenário de litígios dos EUA”.

Dizer a verdade é ainda mais encorajado pelo fato de que os consumidores estão se tornando mais conscientes do greenwashing. A informação está em toda parte, e é mais fácil do que nunca confirmar se uma empresa é verdadeiramente ambientalmente sustentável ou não. Além disso, o escândalo causado pelo greenwashing pode deixar uma marca permanente na reputação de uma empresa e, em última análise, em seus resultados.

Passando do greenwashing para um padrão de excelência

Tornar-se um negócio sustentável pode começar pequeno. Um artigo da Inc. fornece algumas dicas úteis para iniciar esse processo, desde a substituição de lâmpadas tradicionais e a eliminação de garrafas plásticas no escritório, até o envolvimento somente com fornecedores verdes confiáveis. A American Express oferece mais insights, como a realização de uma auditoria ambiental, redirecionar ou redesenhar produtos e recompensar o comportamento ambientalmente consciente.

Mas para realmente chegar ao próximo nível de se tornar um negócio sustentável e verde, é necessário que ocorram mudanças de próximo nível. Isso requer um esforço conjunto dos principais líderes de uma empresa e permeia toda a organização, com o objetivo final de gerar mudanças sustentáveis em escala e ter um impacto real sobre os funcionários, os consumidores e o meio ambiente.

Criando uma cultura verde

O primeiro passo para criar um negócio verdadeiramente verde é criar uma cultura verde. Para isso, os líderes devem determinar o que significa ser um negócio ambientalmente consciente, e como isso afeta funcionários, clientes e o planeta como um todo. Essa etapa pode envolver a criação de uma declaração de missão que seja comunicada e mantida de forma significativa para todos os funcionários; uma declaração que inspira e se alinha com os valores fundamentais da empresa. Essencialmente, ela fornece uma base sólida sobre a qual o restante da empresa possa operar a partir de agora.

A chave para esse esforço é engajar o maior ativo da empresa — seus funcionários — e incentivar seu papel na sustentação da nova cultura. Cada vez mais candidatos a emprego estão procurando trabalhar para empresas verdes, por isso, a adoção de uma cultura verde pode não apenas motivar os funcionários existentes, mas também novas contratações.

Dando uma boa olhada no negócio

Uma vez que uma empresa saiba o que está buscando, os líderes podem começar a se aprofundar na avaliação de tudo, desde como a empresa funciona diariamente até a sustentabilidade de seus produtos ou serviços (e especificamente, sua cadeia de suprimentos). Esta etapa será a mais demorada, pois requer aprofundar nos detalhes e examinar todos os procedimentos, políticas, fornecedores e assim por diante. O tamanho da empresa determinará por onde começar, com empresas menores provavelmente começando com “ganhos” fáceis e empresas maiores começando com o panorama geral, como avaliar a quantidade de energia consumida em toda a empresa. Durante esse processo, algumas questões importantes a serem consideradas incluem:

·         Quão eficiente é o edifício (ou edifícios) em que a empresa reside, e pode ser feita melhorias (como a adição de painéis solares)?

·         Toda a cadeia de suprimentos é construída/focada em sustentabilidade? Onde existem lacunas ou ineficiências?

·         Como os materiais do fornecedor são produzidos? Eles estão em conformidade com as normas ambientais?

·         Como os produtos são fabricados e embalados (utilizando materiais recicláveis ou ecologicamente correto em instalações de baixo carbono) ou serviços prestados (via excesso de viagens ou número de veículos na estrada)?

Buscando ajuda

A boa notícia é que uma empresa não precisa assumir esse esforço aparentemente monumental sozinha. Não só há uma ampla orientação disponível, mas há especialistas na área que podem ajudar. O green Business Bureau pode fornecer um bom ponto de partida.  Ou, uma empresa como a Atlas Renewable Energy pode ajudar grandes consumidores de energia limpa a mudar para fontes de energia mais baratas. Focada em operar com os mais altos padrões e aderir às suas próprias metas de desenvolvimento sustentável, a Atlas tem o profundo conhecimento e experiência da vida real para desenvolver contratos personalizados de compra de energia que capacitem os consumidores atingir suas metas de energia limpa. 

Ou se o orçamento for uma preocupação, uma empresa pode desenvolver a missão por conta própria e, em seguida, trabalhar com consultores em atividades específicas, como coletar dados sobre aspectos-chave do negócio que podem ser mais sustentáveis. Além disso, empresas menores podem buscar contratos de compra de energia aplicáveis ou certificados de energia renovável para ajudar a financiar seus esforços.

Incentivando mudanças contínuas e sustentáveis

Na corrida atual para um futuro livre de carbono, boas intenções não são mais suficientes. As palavras devem ser usadas cuidadosamente para dizer a verdade sobre o que é uma empresa, quem ela serve e como ela opera — e, em última instância, qual é o seu impacto ambiental. E esse processo começa com uma análise mais profunda sobre como uma empresa pode fazer melhor, de cima para baixo, em todos os níveis.

Um artigo na Forbes afirma: “Ao investir em boas pessoas, manter-se responsável e se comprometer com uma missão de sustentabilidade por dentro e por fora, as empresas em 2021 podem impulsionar o mundo em direção a um futuro melhor, ao mesmo tempo em que fortalecem suas próprias posições como líderes de mercado nessa barganha”.

Em parceria com a Castleberry Media, estamos comprometidos em cuidar do nosso planeta, portanto, esse conteúdo é responsável pelo meio ambiente.

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.