Em outros tempos, o sucesso de uma empresa era julgado exclusivamente por seu desempenho financeiro. Mas os lucros por si só não retratam como uma empresa está se saindo. À medida que as empresas começam a responder às várias partes interessadas, a liderança sustentável, que leva em consideração o meio ambiente, a sociedade e os objetivos de desenvolvimento de longo prazo, torna-se vital.

A resposta global à crise da Covid-19 demonstra a importância das pessoas, do planeta e da transparência nas decisões de negócios. Enquanto os líderes mundiais se concentram em ações políticas e econômicas para ajudar a redefinir a economia, o capitalismo inclusivo, uma recuperação equitativa e um futuro mais verde estão agora na frente e no centro.

Para as empresas, isso significa que é hora de olhar mais de perto as estratégias de sustentabilidade corporativa.

“Devemos repensar o que queremos dizer por ‘capital’ em suas muitas iterações, sejam elas financeiras, ambientais, sociais ou humanas”. Os consumidores de hoje esperam cada vez mais que as empresas contribuam para o bem-estar social e o bem comum”, disse Klaus Schwab, fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial (WEF) em dezembro de 2019, no lançamento do novo manifesto de Davos por um tipo melhor de capitalismo.

Naquela época, não havia nenhuma indicação dos eventos tumultuosos que estavam prestes a abalar a economia global em seu núcleo. No entanto, um ano e meio depois, os líderes corporativos estão iniciando uma jornada de melhoria contínua, mudando políticas para tornar a sustentabilidade e a inclusão social centrais em seu funcionamento.

CAPITALISMO DAS PARTES INTERESSADAS

O mundo corporativo sempre foi caracterizado pela concorrência, com CEOs sob pressão para priorizar lucros e receitas em detrimento de outras variáveis. No entanto, os líderes corporativos agora estão começando a reconhecer que as empresas não são apenas entidades com fins lucrativos, e sim uma parte importante do tecido social e ambiental.

Em janeiro deste ano, 60 líderes empresariais, incluindo os CEOs da Dow, Unilever, Nestlé, PayPal, Reliance Industries e Sony, assumiram um compromisso público com a Métrica do Capitalismo das Partes Interessadas, um conjunto de métricas  e divulgações de indicadores ambientais, sociais e de governança (ESG) lançadas pelo Fórum Econômico Mundial e seu Conselho Internacional de Negócios (IBC) em setembro de 2020, que medem a criação de valor não financeiro de longo prazo para todas as partes interessadas.

Ao inscrever sua empresa nas métricas, Marc Benioff, CEO da Salesforce disse: “Hoje damos mais um passo à frente no impacto crescente do capitalismo das partes interessadas. Não se trata apenas de palavras, e sim de empresas que definem métricas claras, medindo o nosso progresso e nos responsabilizando por ele. Só assim poderemos proporcionar crescimento de longo prazo para nossos acionistas, construir a confiança de todas as partes interessadas e melhorar verdadeiramente o estado do mundo”.

Reconhecendo que crescimento e produtividade por si só não são suficientes, sem abordar a desigualdade e o meio ambiente, as métricas incluem divulgações centradas em quatro pilares: pessoas, planeta, prosperidade e princípios de governança, e incluem áreas como emissões de gases de efeito estufa, igualdade de remuneração e diversidade do conselho, entre outras.

UMA LENTE ESG

No último ano vimos um aumento da urgência da discussão sobre alguns temas essenciais: Clima, devido aos grandes incêndios florestais e eventos climáticos extremos, e como nossas ações estão diretamente ligadas ao meio ambiente, Saúde, pelos impactos que a pandemia de COVID 19 nos causou e como dependemos uns dos outros para cuidar da nossa saúde e Justiça Social e Igualdade Racial, sabemos qual é o impacto de se fazer muito pouco para lidar com as desigualdades em nossa sociedade.

A turbulência provocada pelos eventos de 2020 oferece uma oportunidade sem precedentes para repensar como fazemos as coisas, e o ímpeto para que as empresas liderem isso nunca foi tão forte.

SUSTENTABILIDADE TANTO DENTRO COMO FORA

Não é apenas o impacto das empresas no mundo ao seu redor que importa. Como as ordens de quarentena e confinamento mantiveram a maior parte da força de trabalho do mundo em suas casas, os líderes empresariais também começaram a reconhecer a necessidade de construir uma força de trabalho mais resiliente, priorizando o bem-estar.

Na Atlas Renewable Energy, vimos como este ano nos deu uma oportunidade única de conduzir conversas sobre diversidade e inclusão, levando em consideração os desafios complexos de manter unida uma força de trabalho remota durante uma pandemia.

Como cidadãos corporativos, podemos fazer todas as promessas ambientais, sociais e de governança do mundo, mas sem uma liderança empática que possibilite um ambiente de trabalho diversificado, nunca faremos o progresso necessário. Se o ano passado nos ensinou alguma coisa, é que precisamos impulsionar uma força de trabalho mais inclusiva, coesa e sustentável para reconstruir melhor em 2021 e além.

SINAIS DE ALERTA DA INDÚSTRIA ENERGÉTICA

As consequências de negligenciar o triplo resultado final de pessoas, planeta e lucros são visíveis. A indústria de petróleo e gás, por exemplo, que há muito tempo se baseia exclusivamente no desempenho financeiro, agora está perdendo sua licença social para operar em todo o mundo. Se as empresas de energia – e, na verdade, qualquer grande empresa com um impacto desproporcional nas pessoas e no planeta – quiserem sobreviver, elas devem se adaptar a novas realidades. Continuar tocando os negócios como sempre não será uma opção para ninguém por muito mais tempo.

“Se a recuperação econômica for padronizada para uma reinicialização das atividades pré-COVID-19, as sociedades terão perdido uma janela importante de oportunidade para a transição a um caminho de crescimento mais inclusivo e verde”, disseram os economistas-chefes pesquisados pelo Fórum Econômico Mundial no ano passado.

O CASO DE NEGÓCIOS PARA UMA LIDERANÇA SUSTENTÁVEL

À medida que mais e mais empresas em todo o mundo começam a olhar para além dos ganhos imediatos de curto prazo, a liderança sustentável está se tornando a chave para o sucesso do futuro. Entretanto, a liderança sustentável não é um jogo puramente voltado para valores. É ter as habilidades para fazer mais com menos, impulsionando uma maior produtividade através da criação de locais de trabalho, comunidades e ecossistemas de negócios mais justos e inclusivos.

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.