O setor de mineração é um dos maiores consumidores mundiais de energia. À medida que as energias renováveis se tornam mais acessíveis, é hora de fazer um balanço do que as empresas de mineração têm a ganhar fazendo a troca.

Este tema foi justamente o foco da participação mais recente da Atlas na convenção anual da Prospectors and Developers Association of Canada, um evento líder para a indústria mineradora mundial. Representando mais de 6.000 membros em todo o mundo, o PDAC trabalha para apoiar um setor mineral competitivo, responsável e sustentável. Com essas palavras-chave em mente, o diretor comercial da Atlas, Renato Valdivia, argumenta que “tanto as indústrias de energia renovável quanto de mineração compartilham certos objetivos e incentivos fundamentais”. Abaixo, vemos como ambas as indústrias podem se ajudar a cumprir essas metas.  

As energias renováveis fazem sentido comercial

Do ponto de vista empresarial, os profissionais de energia renovável apontam principalmente para a redução dos custos operacionais. De acordo com um estudo realizado pela Deloitte, a incorporação de renováveis pode reduzir os custos operacionais em 25% nas operações de mineração existentes e em até 50% para novas minas. Dado que o uso de energia constitui cerca de 30% dos custos operacionais totais para a maioria das minas, vale a pena considerar estratégias de longo prazo que possam acomodar as crescentes necessidades energéticas da maneira mais sustentável e econômica.  

As energias renováveis permitem soluções sob medida

Talvez o obstáculo mais significativo quando se trata de integrar energias renováveis tenha a ver com percepções atrasadas sobre a confiabilidade das fontes de energia verde e a complexidade de navegar em contratos de compra de energia (PPAs). O benefício de garantir um contrato independente de energia renovável, no entanto, está precisamente na capacidade de ajustar os PPAs às necessidades energéticas específicas, em vez de depender apenas de fontes de energia que criam seus próprios problemas em termos de desperdício e gerenciamento de riscos.

É vital entender como os PPAs sob medida podem fornecer soluções de maior valor levando em conta as características únicas de um determinado local, em combinação com o perfil de demanda de cada mina. Uma mentalidade “de tamanho único” nunca será capaz de otimizar os gastos com energia, o custo, os riscos e as metas de sustentabilidade. 

As emissões de carbono vêm com um pedágio

O setor de mineração é responsável por 4 a 7% das emissões globais de gases de efeito estufa. Indiscutivelmente mais do que qualquer outro setor, as empresas mineradoras enfrentam uma pressão incrível por parte dos governos, investidores e da sociedade para reduzir as emissões. Essa pressão toma a forma de marcos regulatórios para tributar as emissões de carbono, que continuarão a impactar os grandes consumidores de energia, a menos que tomem medidas em direção a fontes de energia mais limpas. 

Segundo o Banco Mundial, os instrumentos de precificação de carbono já foram adotados em 40 países, enquanto em outros foram implementados a nível regional e local.

A sugestão de Valdivia seria começar com a eletrificação como a primeira estratégia para reduzir a pegada de carbono. “O hidrogênio verde pode substituir combustíveis fósseis, caso a eletrificação não seja uma opção”, diz ele. “Em última análise, precisamos substituir completamente o uso de combustíveis fósseis se quisermos chegar ao net zero. Isso exige que o setor de energias renováveis e o setor de mineração trabalhem em conjunto para encontrar soluções sistêmicas que possam gerar sinergias de longo prazo.”

Os Investidores favorecem as energias renováveis (os consumidores também)

A necessidade de mudança sistêmica de longo prazo é evidente quando consideramos que cada vez mais investidores institucionais estão se comprometendo a apoiar estratégias livres de combustíveis fósseis. Como tal, a capacidade das mineradoras de reduzir sua pegada de carbono anda de mãos dadas com potenciais parcerias comerciais. As empresas de mineração estão, portanto, em uma posição única para desempenhar um papel essencial na aceleração de transições inovadoras na produção, gerenciamento e distribuição de energia.

Uma observação da conferência anual do PDAC é a crescente consciência do papel central que os minerais desempenham na economia moderna e como a transição verde impulsionará um crescimento mais acentuado da demanda por certos elementos, como cobre e lítio. Isso aponta para um modelo de negócio nascente para o setor de mineração, que trabalha para e com o desenvolvimento de novas tecnologias de energia renovável. O desafio é encontrar formas de equilibrar a expansão com uma alocação eficiente de capital e contenção de custos – entretanto, uma estratégia de sustentabilidade abrangente, onde um componente renovável (e a otimização do projeto das operações em torno da maximização de seu uso) ao planejar uma nova mina ou expandir uma operação existente serviria para liberar o acesso a esquemas preferenciais de financiamento verde e reduzir o risco percebido pelo investidor. 

Da mesma forma, as empresas de mineração precisam considerar a crescente demanda dos consumidores por cadeias de suprimentos para fornecer commodities verdes. Clientes maiores como Volvo e Mercedes estão cimentando essas demandas ao assumir compromissos de aço verde, que devem entrar em vigor nos próximos cinco anos.

É crítico para os negócios.

A mudança para a energia renovável invariavelmente está sob o guarda-chuva de preocupações ambientais, sociais e de governança mais significativas.  Devido à sua escala e intervenção, os projetos de mineração tendem a gerar muita atenção em relação ao ESG.

As minas exigem licenças para operar, que, por sua vez, estão condicionadas a estratégias de ESG. Nesta perspectiva, as energias renováveis oferecem mais do que simples economias de custos. Elas também fazem parte de estratégias que preservam a licença social de uma mina.

O modelo de negócios da Atlas sempre foi sobre encontrar maneiras de fornecer soluções de energia limpa inovadoras e feitas sob medida para grandes consumidores de energia, atuando como agentes de mudança e guardiões da justiça social nas comunidades que tocamos. Trata-se de levar o conceito de sustentabilidade além da energia limpa em direção a um modelo abrangente de crescimento econômico que se esforça para a regeneração em vez da exaustão.  Garantir o triplo resultado é, em última análise, o retorno mais significativo do investimento.

Embora os benefícios sociais e ambientais possam ser mais difíceis de quantificar, eles criam valor para os acionistas.

Um novo modelo de mineração

O desafio para a indústria de mineração é determinar como fornecer os minerais que o mundo precisa para prosperar e, ao mesmo tempo, tornar suas operações parte da solução para enfrentar as mudanças climáticas.

Responder a essa pergunta requer disposição para repensar os processos operacionais e liderança suficiente para transformar toda uma indústria.

As tendências atuais indicam que o movimento em direção às energias renováveis está em ascensão. Os líderes do setor de mineração não devem demorar a seguir este curso, ou podem encontrar-se em uma curva de custo mais alta, tentando alcançar os concorrentes.

É através das lentes das estratégias de energia renovável que as mineradoras podem se posicionar como atores-chave no espaço de tecnologia e inovação, atraindo o interesse de uma força de trabalho especializada e investidores com visão de futuro – ao mesmo tempo em que atendem as comunidades onde operam.

Em parceria com a Castleberry Media, estamos comprometidos em cuidar do nosso planeta, portanto, esse conteúdo é responsável com o meio ambiente.

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.