A pandemia de Covid-19 está empurrando a economia global para sua primeira recessão desde 2009, e a América Latina já sente seus efeitos. Conforme governos implementam medidas de emergência e líderes corporativos pensam em estratégias de redução de custos, um retorno à normalidade ainda se encontra distante. No entanto, o caminho da recuperação pode ser pavimentado pelas oportunidades apresentadas pela energia renovável, dando espaço a um futuro mais sustentável e igualitário.

Enquanto o surto do coronavírus continua a atingir os mercados mundiais, a queda na atividade econômica global está prejudicando as exportações de bens e serviços da América Latina, interferindo nas cadeias de produção e restringindo as condições financeiras desses países. Nos mercados onde trabalhamos, empresas correm para enxugar custos, enquanto governos se movimentam para mitigar os impactos na saúde, sociais e econômicos do vírus com medidas de contenção, programas emergenciais de liquidez e pacotes de estímulo fiscal.

Estas medidas de curto-prazo têm servido para lidar com os problemas imediatos trazidos pela pandemia, mas para uma resiliência sustentável, a longo prazo, acreditamos que uma estratégia energética robusta será central nos planejamentos para o futuro – e a energia renovável será central nesse processo.

Medidas de cortes de custos das empresas

Nos mercados latino-americanos onde operamos, estamos vendo empresários enxugando seus custos e tentando prever com precisão suas receitas para realizar planejamentos confiáveis de seus negócios. Pesquisas realizadas pela empresa de consultoria Mercer comprovam este fato: pelo menos dois terços das companhias latino-americanas estão preocupados com o impacto econômico da crise em seus negócios, com 54% já realizando cortes de funcionários e despesas de trabalho.

Estas são medidas rápidas e de contenção, mas os indicadores mostram que o Covid-19 exigirá de nós medidas a longo-prazo. O PIB da América Latina tem previsão de diminuir até 5% este ano, e a demanda doméstica deve cair drasticamente enquanto as políticas de distanciamento social para evitar a propagação do vírus continuarem impactando no consumo.

Dependendo do setor industrial, os custos de energias ocupam entre a primeira e a quarta posição nos custos de operação das empresas, e por isso vemos companhias levarem o consumo e fonte da energia que utilizam cada vez mais em conta nas suas estruturas financeiras.

Acordos de Compra de Energia (ACE) de energias renováveis, onde companhias compram eletricidade diretamente de geradores independentes no lugar de uma planta de energia, têm aumentado nos últimos anos, com 2019 vendo a triplicação desses acordos na América Latina.

Estruturado como um contrato entre um receptor corporativo e um produtor de energia, esses acordos permitem a compra de energia elétrica a um preço fixo por um período determinado. Para compradores corporativos, isso significa visibilidade e certeza quanto aos custos futuros em eletricidade, além de uma proteção contra a volatilidade dos preços de energia – uma chave para continuar prosperando no mundo pós-Covid-19.

Nossa equipe foi a primeira a implementar uma ACE privada de energia solar no Chile oito anos atrás, e desde então replicamos este sucesso no Brasil e no México. Estamos vendo um aumento no número de pedidos de companhias em vários setores, buscando uma estratégia energética que dê conta do equilíbrio financeiro nestes tempos de contenção, e acreditamos que este padrão persistirá no futuro.

Governos olham para as energias renováveis como uma possibilidade de vitória

Como no restante do mundo, as pessoas na América Latina têm contado com os seus governos para encontrar soluções à crise do coronavírus. Aqueles que agiram rapidamente receberam amplo apoio popular, mas medidas a longo prazo também serão necessárias para manter a economia nos trilhos nos próximos meses e anos.

Conforme os governos mudam seus focos das medidas emergenciais para uma visão a longo prazo, uma transição baseada em energia renovável pode fornecer resiliência e recuperação igualitária para a crise, sem deixar ninguém para trás. Nós vemos isso em nossos projetos que levam alternativas energéticas limpas e baratas para a região. E não somos apenas nós que acreditamos na força das renováveis: em seu Relatório Global de Renováveis, publicado em abril deste ano, a Agência Internacional de Energia Renovável prevê que uma transição energética como parte integral dos planos de recuperação que resultará em um ganho de PIB global de quase 100 trilhões de dólares até 2050.

Nesse sentido, países latino-americanos já saíram na frente. Eles determinaram, coletivamente, a transição para 70% do consumo partindo de renováveis até 2030, mais que o dobro da meta da União Europeia, enquanto 81% das contribuições nacionais determinadas pelo Acordo de Paris contra as mudanças climáticas da região incluem a quantificação de energias renováveis – contra 67% globalmente.

Em vez de contribuir para a tragédia do Covid-19, permitindo que ela atrase a transição para energias renováveis, acreditamos que os governos latino-americanos têm uma oportunidade sem precedentes para ajudar a acelerar a transição, utilizando a atual situação para aumentar suas ambições climáticas e lançar pacotes de estímulo ao sustentável com foco em energia renovável.

Com custos muito abaixo daqueles de usinas de energia tradicionais, muitas tecnologias renováveis podem ser aprimoradas relativamente rápido, ajudando a reviver indústrias e a criar até 3,2 milhões de empregos na região, compensando – ainda que parcialmente – os impactos econômicos e sociais do surto do coronavírus.

Enquanto o petróleo despenca, renováveis são fontes seguras para investimentos em energia

O Covid-19 não é o único choque interferindo nas economias latino-americanas. O atual colapso nos preços do petróleo para muito abaixo do custo marginal de extração na maior parte da região colocou em pausa projetos de desenvolvimento e exploração do recurso. Muita oferta e decrescimento da demanda forçou investidores avessos à riscos deixarem o petróleo aos montes, com ações e títulos de produtores como Ecopetrol, Petrobrás e Pemex caindo significativamente.

O aumento da imprevisibilidade dos retornos em investimentos em hidrocarboneto aumentou os benefícios das energias renováveis, que vêm se fortalecendo com o passar dos anos. Até muito recentemente, combustíveis fósseis mantinham uma vantagem competitiva com a energia renovável. Este não é mais o caso. Na América Latina, energia renovável sem subsídio é frequentemente a fonte de energia mais acessível para inúmeros locais e mercados. Esperamos ver grandes números de investidores procurando por energia eólica e solar como alternativas confiáveis, acessíveis e de escala, investindo capital em novos projetos que incentivarão a transição para energias limpas na região.

Uma visão do futuro

A possibilidade das energias renováveis sustentarem a recuperação pós-Covid não é apenas em relação à economia. Trata-se de melhorar as condições de saúde e vida nas cidades latino-americanas.

Nos últimos meses, vimos o que é possível com um sistema de energias limpas. Pesquisas realizadas pela Carbon Brief mostram que a crise do coronavírus pode resultar na maior queda anual nas emissões de CO2 até hoje. Como a região mais urbanizada do mundo, com 80% de suas populações vivendo em cidades, a América Latina já é testemunha disso. A cidade de Santiago, no Chile, uma das metrópoles mais poluídas da região, já viu queda de 30% na poluição visível, enquanto cidadãos de Bogotá e Belo Horizonte tomaram as redes sociais com fotos de céus limpos.

Acreditamos que esta nova consciência sobre o que o futuro guarda para nós caso façamos as escolhas energéticas corretas leve a um aumento na pressão aos governos e corporações da região, recuperando as piores situações de poluição do ar urbano.

A pandemia irá resultar em mudanças duradouras, e companhias, governos e investidores têm uma oportunidade única de definir a realidade no mundo pós-coronavírus. Aqueles que conseguirem incluir a produção, consumo e progresso sustentável em relação às metas de carbono nos seus negócios estarão na crista da onda e, em nossa opinião, a economia de custos, benefícios ambientais e oportunidades de emprego das energias renováveis serão a sustentação do crescimento no caminho da recuperação da região.

Compilação de Fontes

https://www.irena.org/publications/2020/Apr/Global-Renewables-Outlook-2020

https://www.latinamericahydrocongress.com/en/news-en/latin-america-sets-a-collective-renewable-target-of-70-by-2030-more-than-double-the-eu

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.