A energia renovável agora é competitiva com os combustíveis fósseis em muitos mercados, e um número crescente de empresas em todo o mundo está mudando para energia mais limpa. Mas, embora algumas empresas tenham se destacado em sua transição para a eletricidade verde, outras ainda têm um longo caminho a percorre. 

Após anos de progresso lento, a demanda das empresas por energia renovável agora atingiu o seu auge. De acordo com dados recentes do Climate Group e do CDP, os grupos internacionais sem fins lucrativos que administram a RE100 – a coalizão de grandes empresas comprometidas com a compra de eletricidade 100% renovável – a demanda das empresas por eletricidade renovável já ultrapassou a dos países do G7.  

“Mas muitas centenas de outras grandes empresas ainda não deram este passo relativamente fácil em direção ao carbono zero líquido”, disse Sam Kimmins, chefe do RE100 do Climate Group em uma declaração recente. “Para cumprir as metas climáticas globais e permanecer competitivo em um mundo movido por eletricidade limpa e barata, isso precisa rapidamente se tornar a norma para abastecer seus negócios com energias renováveis”. 

Na Atlas, vimos como os pioneiros em vários setores industriais deram os primeiros passos para a mudança para as energias renováveis e rapidamente causaram um efeito cascata, com inúmeras empresas os seguindo rapidamente. Embora um dos principais fatores por trás das decisões das empresas de se afastar dos combustíveis fósseis seja reduzir o impacto ambiental da operação de seus negócios, nossos clientes corporativos também relatam vantagens colaterais como custos de energia mais previsíveis decorrentes de nossos contratos corporativos de compra de energia (PPAs) de longo prazo, para fortalecer o relacionamento com os clientes e a diferenciação da marca. 

No ano passado, apesar da interrupção causada pela pandemia, uma pesquisa da BloombergNEF descobriu que as empresas compraram um recorde de 23,7 GW de energia limpa através de PPAs, contra 20,1 GW em 2019 e 13,6 GW em 2018. 

“Mais do que nunca, as empresas têm acesso à energia limpa a preços acessíveis em escala global. As empresas não têm mais desculpas para ficar para trás na definição e no trabalho em prol de uma meta de energia limpa”, disse Jonas Rooze, analista-chefe de sustentabilidade da BloombergNEF. 

Em 2020, mais de 130 empresas assinaram contratos de energia limpa, em setores que vão desde petróleo e gás até as big tech. À medida que mais empresas se tornam verdes, esta não é apenas uma forma de demonstrar responsabilidade social corporativa mas também de melhorar o desempenho financeiro e reduzir a pegada de carbono em um momento em que os governos estão estabelecendo metas cada vez mais ambiciosas para cumprir os objetivos do Acordo de Paris. 

Entretanto, embora algumas indústrias estejam liderando o caminho na conversão de seu consumo de energia em fontes renováveis, outras poderiam estar fazendo melhor. 

Processamento e produção de alimentos 

De acordo com a Organização para a Alimentação e Agricultura (FAO), o setor de alimentos é responsável por cerca de um terço do consumo total de energia no mundo. As duas atividades que mais consomem energia são encontradas na produção e processamento agrícola e dependem em grande parte do uso de combustíveis fósseis. A redução das emissões diretas de carbono através da mudança para energia mais limpa é uma tarefa urgente para a indústria, e uma tarefa que várias empresas já começaram a assumir. 

Em julho deste ano, a PepsiCo atingiu sua meta de usar 100% de energia renovável em todas as suas operações no México, seu segundo maior mercado. Isso ocorreu menos de um ano depois que a empresa atingiu um marco semelhante nos Estados Unidos, seu maior mercado. A empresa planeja fornecer 100% de eletricidade renovável em todas as suas operações controladas e de propriedade da empresa até 2030, e 100% de eletricidade renovável em todas as suas franquia e operações de terceiros até 2040. Se cumprir suas metas, a empresa calcula que consegue reduzir cerca de 2.5 milhões de toneladas de emissões de GEE até 2040, o equivalente a tirar mais de meio milhão de carros das estradas por um ano inteiro. 

Para fazer isso, está empregando diversas soluções, incluindo PPAs que apoiarão o desenvolvimento de novos projetos, como parques eólicos e solares em todo o mundo, bem como a aquisição de certificados de energia renovável (RECs). 

Outra empresa que procura utilizar mais energia renovável é a Nestlé. Como parte de sua ambição de zero líquido para 2050, revelada em 2019, ela se comprometeu a continuar a aumentar seu uso de eletricidade renovável para atingir 100% até 2025, contra 34,5% em 2018, e diz que planeja usar PPAs, tarifas verdes, RECs e produção no local para fazer isso. 

Essas empresas, ao lado de concorrentes como a Diageo e a Mars, estão dando passos ousados ​​para ajudar a impulsionar a transição global para energia limpa – e isso provavelmente lhes trará novos clientes. 

Cada vez mais, as pessoas estão exigindo energia mais limpa e sustentável. Uma pesquisa realizada nos EUA em 2019 pelo Pew Research Center constatou que 77% dos entrevistados acreditam que desenvolver “energia alternativa” é uma prioridade mais importante no momento do que produzir mais combustíveis fósseis a fim de reduzir os efeitos da mudança climática. À medida que os consumidores votam cada vez mais com suas carteiras, as empresas que estão alinhadas com seus valores estão posicionadas para tirar participação de mercado de empresas que não se movem com o decorrer do tempo. 

Felizmente, as empresas do setor de alimentos que ainda não tomaram medidas para limpar seu uso de eletricidade não estão muito atrasadas. A disponibilidade de modelos de abastecimento de eletricidade renovável avançou significativamente nos últimos anos, e há inúmeras opções disponíveis para empresas de todos os tipos. 

Papel e celulose 

A indústria de papel e celulose foi sem dúvida um dos beneficiários mais improváveis da pandemia de Covid-19, experimentando uma demanda vertiginosa em meio ao aumento da necessidade de produtos de higiene pessoal, embalagem de alimentos e de papelão ondulado para entregas de compras online e outros materiais baseados em papel. Como a maioria das principais operações de fabricação, a fabricação de papel é um empreendimento que consome muita energia e, à medida que a produção baseada em papel aumenta, a indústria pode não conseguir atingir sua meta de redução de emissões devido ao rápido crescimento das emissões de gases de efeito estufa. 

Em relatório recente, a Agência Internacional Energia (AIE) destaca o setor como necessitando de “mais esforços” se quiser reduzir suas emissões. Entre suas recomendações está a de que a indústria recupere e utilize cada vez mais os subprodutos da produção de papel e celulose, como o licor negro, para deslocar uma parte do uso de combustíveis fósseis. 

Entretanto, simplesmente utilizar mais energia de biomassa não será suficiente para tornar o setor verde, diz o relatório. O relatório pede que as empresas busquem o uso de outras fontes de energia renováveis, especialmente para a produção de reciclados, para a qual o gás natural tende a ser empregado porque os subprodutos da biomassa não estão prontamente disponíveis. 

Têxteis e confecções 

A indústria da moda é outro setor que tem uma enorme oportunidade de aproveitar o poder das energias renováveis ​​para impulsionar um futuro mais sustentável. Cada etapa da cadeia de fornecimento da indústria têxtil consome muita energia, desde o processamento de fios, a produção de tecidos e a fabricação de têxteis, até o transporte e venda de roupas aos clientes, e várias grandes marcas de moda estão agora procurando reduzir as emissões de gases de efeito estufa, alimentando todas as suas operações com energia renovável. 

Como parte da iniciativa global RE100, marcas conhecidas da H&M à Nike, Burberry e Ralph Lauren já se comprometeram a obter 100% de sua eletricidade de fornecedores renováveis ​​até 2050 no máximo, e algumas também estão executando programas para garantir que seus fornecedores também reduzam suas emissões de gases de efeito estufa, mudando para energia verde. 

Kingwhale, uma fábrica têxtil com sede em Taiwan, aderiu recentemente à iniciativa RE100, comprometendo-se a atingir 100% de eletricidade renovável até 2040, mas é o único fabricante de têxteis sediado na Ásia-Pacífico a fazer isso. 

Dentro da indústria de vestuário, há uma divisão crescente entre os pioneiros da transição de energia renovável e seus concorrentes menos eficientes em termos de energia e, por mais que os escândalos sobre as práticas trabalhistas dentro das cadeias de fornecimento têxteis tenham prejudicado a imagem das marcas nos últimos anos, empresas que não operam de forma mais sustentável em termos de uso e consumo de energia, correm o risco de alienar seus clientes. 

Fechando a lacuna 

Em algumas das maiores indústrias do mundo, uma lacuna clara está surgindo entre as empresas que já fizeram progresso na transição energética e aquelas que ainda não deram o primeiro passo. Alinhar o desempenho dos retardatários com o dos pioneiros será crucial para que os objetivos estabelecidos no Acordo de Paris sejam alcançados – mas também é uma questão de sobrevivência. No mundo pós-Covid, os consumidores estão cada vez mais focados nas credenciais de sustentabilidade das empresas de quem compram, e fazer a mudança de combustíveis fósseis poluentes para energia limpa envia um forte sinal de que, quando se trata de combater as mudanças climáticas, negócios significam negócios. 

Em parceria com a Castleberry Media, temos o compromisso de cuidar do nosso planeta, portanto, este conteúdo é responsável com o meio ambiente. 

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.