Na Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas de 2021 (COP26), realizada em novembro, os países apresentaram ambiciosas metas de redução de emissões para 2030 que se alinham com o alcance do net zero até meados do século.

Para cumprir esses compromissos, os grandes usuários corporativos de energia estarão desempenhando um papel fundamental. Hoje, um movimento crescente em direção aos polos industriais net zero, oferece uma oportunidade única para que as corporações em todo o mundo se alinhem às metas do Acordo de Paris – bem como aumentem a adoção de energia renovável.

Desde o polo aeroespacial em Queretaro, México, até o polo automotivo em Detroit, Michigan, as empresas têm se co-localizado em ecossistemas dinâmicos há décadas. Compartilhando recursos, problemas e soluções, os polos industriais atuam como motores de crescimento econômico, ao mesmo tempo em que aumentam as oportunidades de maior eficiência.

Agora, à medida que a luta contra as mudanças climáticas se torna mais urgente, esses polos industriais co-localizados podem ser alavancados de uma nova maneira: reduzir as emissões a zero.

Como funcionam os polos industriais net zero?

Os setores energéticos e industriais são responsáveis por até dois terços do CO₂ mundial (cerca de 22 gigatoneladas por ano), de acordo com um novo relatório da Accenture em colaboração com o Fórum Econômico Mundial.

Se as empresas localizadas dentro de um polo industrial podem trabalhar juntas para aproveitar ao máximo as novas tecnologias e processos limpos e, ao mesmo tempo, manter ou aumentar a produtividade, aumentar as credenciais verdes de seus produtos e melhorar o ambiente, elas podem se tornar parte da solução – em vez de parte do problema.

O que isso parece na prática, varia drasticamente dependendo da região e do tipo de indústria.

Porém, em sua essência, os polos industriais net zero são um conjunto de instalações, fábricas e infraestrutura interligada dedicada à redução e eliminação de gases de efeito estufa através da aplicação de energia limpa e tecnologia de controle de emissões.

Através da geração de energias renováveis no local, fontes de carbono zero ​​compartilhadas, armazenamento e micro redes, os polos industriais podem aproveitar as oportunidades apresentadas pela energia limpa para reduzir as emissões e permitir que as empresas localizadas nos locais cumpram suas próprias metas internas de sustentabilidade. E devido à configuração do polo industrial, se a demanda de energia não puder ser suprida por fontes renováveis no local, as empresas podem agrupar a demanda por contratos de compra de energia renovável (PPAs).

Polos industriais net zero na atualidade

Os polos industriais net zero ainda são um conceito relativamente novo, mas que está ganhando terreno à medida que cidades e nações buscam alcançar essa meta até 2050, ou antes, com o menor custo possível para seus cidadãos e empresas.

Um exemplo é o Parque Industrial de Suzhou. Situado em Jiangsu, na China, é um dos maiores e mais modernos parques industriais do mundo. Espalhado por uma área de 288 km² e abrigando mais de 4.000 empresas, o parque industrial oferece uma gama de soluções econômicas, de baixo carbono e de energia e infraestrutura net zero que permitem que as empresas lá localizadas rastreiem e melhorem sua eficiência energética e suas emissões, de acordo com suas próprias metas de sustentabilidade.

Enquanto isso, no Reino Unido, onde o governo se comprometeu a entregar quatro polos industriais de baixo carbono até 2030 e pelo menos um polo industrial totalmente net zero até 2040, há inúmeros exemplos promissores.

Um deles é o polo industrial Humber, em Yorkshire. Lar de indústrias como refino, petroquímica e manufatura, este é o polo industrial mais intensivo em carbono do país, emitindo 12.4 milhões de toneladas por ano. O plano é criar uma infraestrutura compartilhada de captura e armazenamento de carbono ao lado da primeira usina de energia de emissões negativas do mundo, que permitirá que as indústrias da região produzam produtos químicos de baixo carbono. Há também o potencial de incorporar a produção de hidrogênio verde, fazendo uso do aumento do fornecimento de energia renovável a partir do vento do mar na região de Humber.

À medida que esses projetos começam a amadurecer, o interesse também cresce nos EUA e na América Latina – um estudo recente do Center for Global Energy Policy da Universidade de Columbia identificou oportunidades para net zero em Houston.

Colocando isso em prática

Embora os polos industriais ne -zero sejam uma ótima ideia em teoria, na prática, eles são menos simples de implementar. A maioria das empresas, cidades e estados não têm a capacidade de iniciar uma transformação net zero a partir de um quadro limpo, e a adaptação de sistemas legados para eficiência energética e carbono net zero envolve custos significativos. Além disso, nem todos os grandes emissores de carbono estão localizados em polos industriais, portanto, a criação de polos industriais com net zero é apenas parte do caminho para resolver os problemas.

No entanto, acreditamos que o movimento do polo industrial net zero apresenta uma excelente oportunidade para facilitar e promover a adoção de energia renovável, à medida que as empresas trabalham arduamente para cumprir suas metas climáticas. E para aquelas empresas que ainda não têm a oportunidade de aderir a um polo industrial, já existem alternativas.

Uma das alternativas mais eficazes para as empresas que buscam atingir os objetivos de redução de emissões são os Certificados de Energia Renovável (RECs). Em todo o mundo, cerca de 70% das empresas com metas net zero já utilizam RECs como parte de suas estratégias de aquisição de eletricidade renovável. O uso de RECs permite que uma empresa afirme que usa eletricidade renovável de uma fonte de baixa ou zero emissões e, como eles fornecem flexibilidade na aquisição de energia verde de qualquer lugar de um determinado país, mesmo empresas localizadas em regiões sem recursos energéticos renováveis abundantes podem se beneficiar.

Outra opção é através de PPAs, que permitem que os consumidores corporativos comprem uma certa quantidade de energia renovável de um ativo específico sob um acordo de preços pré-determinado. Cerca de 45% das empresas com metas de net zero assinam esses acordos como parte de suas estratégias de aquisição de energia renovável, e seu uso está crescendo à medida que cada vez mais empresas buscam aproveitar os benefícios da energia renovável para alcançar suas metas de sustentabilidade.

No entanto, apenas os RECs e PPAs não levarão as empresas à neutralidade de carbono. Operações diárias como o uso de água, produção de embalagens e uso de equipamentos não elétricos têm uma pegada de carbono, e é por isso que esses polos industriais são tão atraentes: por meio de infraestrutura compartilhada e da tecnologia de captura de carbono, eles permitem novos modelos de negócios que podem contribuir para prevenir os piores efeitos das mudanças climáticas provocada pelo homem.

No entanto, até que os polos industriais net zero se tornem uma realidade global generalizada, a próxima melhor opção para os grandes emissores é analisar seriamente suas estratégias de uso de energia e considerar a implementação de PPAs, RECs e outras ferramentas a fim de definir suas trajetórias no caminho para net zero.

Em parceria com a Castleberry Media, estamos comprometidos em cuidar do nosso planeta, portanto, esse conteúdo é responsável pelo meio ambiente.

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.