A próxima iteração da internet está tomando forma rapidamente, mas torná-la realidade exigirá grandes quantidades de energia. Garantir que o futuro cenário digital não se torne um pesadelo ambiental significa optar por energias renováveis, acelerar a transição energética e adotar uma estrutura de  emissões mais baixas.

Executada em redes que usam mecanismos de consenso como blockchain, o Web3 é uma nova versão descentralizada da internet que visa dar aos indivíduos mais controle sobre seus dados e experiências. Enquanto isso, o metaverso é um mundo digital e imersivo ainda a ser realizado que permite que os usuários interajam digitalmente, seja usando cripto-carteiras para fazer compras ou fones de ouvido de realidade virtual para explorar experiências.

Embora ambos sejam espaços digitais e virtuais, eles estão muito ligados ao mundo físico – graças à energia necessária para alimentá-los.

Apesar de toda sua promessa futurista, os blocos básicos de construção do novo cenário digital são computadores e servidores, e uma postagem recente no blog da Intel sugere que nossa infraestrutura global de computação precisará ser 1.000 vezes mais poderosa do que é hoje para sustentá-la confortavelmente – e isso tem um alto custo ambiental.

Em um estudo realizado em 2019, pesquisadores da Universidade de Massachusetts calcularam que o treinamento de um grande modelo de aprendizagem – por exemplo, um que permite que as máquinas trabalhem com linguagem natural em um ambiente virtual – produz 284 mil quilos de dióxido de carbono que aquece o planeta, ou cinco vezes as emissões ao longo da vida de um carro médio.

Na Universidade de Lancaster, pesquisadores travaram um cenário para descobrir o que aconteceria se apenas 30% dos jogadores de computador se mudassem para plataformas virtuais baseadas em nuvem até 2030, e descobrissem que as emissões de carbono aumentariam quase em um terço.

Enquanto isso, as criptomoedas, que sustentarão transações no novo mundo online, tornaram-se notórias por sua intensidade de energia, com a Universidade de Cambridge descobrindo que a mineração de criptomoedas pode consumir até 121,36 terawatt-hora por ano, ou mais do que o consumo anual de energia da Argentina ou dos Emirados Árabes Unidos, enquanto o New York Times calcula que o bitcoin consome cerca de 0,5% de toda a energia do mundo inteiro.

No atual mix energético, onde a maioria da eletricidade em todo o mundo ainda vem de fontes não renováveis, o enorme aumento no uso de energia provocado pelo Web3 significa um desastre para o planeta.

Em todo o mundo, mudanças climáticas irreversíveis já estão em andamento, desde temperaturas mais quentes até tempestades e secas mais severas. De acordo com o relatório do IPCC de 2022, divulgado no início deste ano, a humanidade tem uma “janela estreita para agir”, e se quisermos garantir um futuro habitável, cortes profundos nas emissões de gases de efeito estufa precisam acontecer agora.

O caminho verde para o futuro

Entretanto, antes de descartar imediatamente o metaverso e a Web3 como um desastre ambiental esperando para acontecer, vale a pena notar o que a Big Tech está fazendo para conciliar seus próprios objetivos de sustentabilidade com a criação de um cenário digital totalmente imersivo. A Amazon Web Services (AWS), que fornece soluções de computação em nuvem para quase um terço de todos os aplicativos de web hoje, diz que vai alimentar suas operações com energia 100% renovável até 2025. O Google prometeu usar energia livre de carbono 24 horas por dia, 7 dias por semana em todos os seus centos de dado até 2030. A Microsoft pretende zerar o uso de carbono até 2030, além de interromper o uso de diesel em seus geradores. Enquanto isso, a Meta – que mudou seu nome do Facebook para demonstrar o quanto acredita no metaverso – diz que até 2030 atingirá zero de emissões em suas próprias operações e em sua cadeia de valor.

Além disso, a energia limpa está sendo cada vez mais usada para alimentar as atividades de criptomoedas, onde um relatório do Cambridge Centre for Alternative Finance descobriu que quase 40% da mineração de proof-of-work, (que é a utilizada para validar criptomoedas e minerar novos tokens), é alimentada por energia renovável. Isso se deve, em parte, ao fato de que a energia renovável agora é mais barata do que os combustíveis fósseis na maioria dos mercados ao redor do mundo, enquanto os combustíveis fósseis só devem se tornar mais caros com o tempo. Outro sinal positivo pode ser encontrado no Acordo Climático Cripto, inspirado no Acordo de Paris. Os signatários do pacto, orientado pelo setor, prometeram mudar para fontes de energia renovável até 2025 e chegar a zero, eliminando completamente as emissões de gases de efeito estufa, até 2040.

Essa proliferação de compromissos já está superando a transição do nosso mundo para a energia renovável, impulsionando a demanda para que uma porcentagem maior da rede seja proveniente de recursos limpos.

Para atender a essa demanda, um mundo digital descentralizado precisa de fontes de energia descentralizadas. As fazendas de criptomoedas precisarão ser co-localizadas com a geração renovável e mineração quando houver abundância de energia. Os centros de dados já estão firmando acordos diretos de compra de energia corporativa (PPAs) com fornecedores de energia renovável, permitindo-lhes aumentar seu uso real de energia limpa mais rapidamente do que se dependessem apenas da rede elétrica. As atividades de mineração digital têm flexibilidade de localização, como tem sido demonstrado pela redistribuição de sua atividade em resposta a mudanças regulatórias, o que significa que as atividades de mineração digital podem buscar as melhores localidades geográficas em termos de energia renovável abundante e competitiva.

Preparando o caminho para um futuro sustentável

Garantir que o metaverso e o Web3 sejam alimentados por energia limpa permite que o poder verdadeiramente transformador do novo mundo online entre em vigor. Indivíduos que pensam e se preocupam com o futuro do planeta já estão projetando novas formas radicais para que pessoas e empresas sejam mais sustentáveis através da nova tecnologia – desde moedas digitais de crédito de carbono para permitir que qualquer pessoa acesse mercados de negociação de carbono até tokens não fungíveis que financiam o plantio de manguezais suficientes para sequestrar 20 milhões de toneladas de carbono nos próximos 25 anos.

Embora seja verdade que – como as coisas estão hoje – a adoção em larga escala do metaverso e da Web3 levaria as emissões a níveis perigosos, todos os indicadores apontam para as empresas envolvidas optando por combater esses desafios ambientais. A única opção viável para alimentar o futuro mundo online são as energias renováveis, e esse enorme aumento na demanda impulsiona a enorme adoção de energia limpa, acelerando a transição energética para um futuro melhor e mais sust entável.

Em parceria com a Castleberry Media, estamos comprometidos em cuidar do nosso planeta, portanto, esse conteúdo é responsável pelo meio ambiente.

This site is registered on wpml.org as a development site. Switch to a production site key to remove this banner.